Eu, Tonya

i-tonya-1518803140O diabo mora nos detalhes. E o cinema também. Um único gesto, mostrado em primeiro plano, pode resumir um filme inteiro, seus personagens, suas histórias, os temas e ideias que o diretor / roteirista pretende “representar” através desses mesmos personagens e histórias. Tudo isso cabe dentro de uma única imagem, que passa rapidamente.

Vamos pontuar bem as coisas aqui, antes de chegarmos ao “x” da questão: personagens, histórias, temas e ideias são – em princípio – elementos de uma narrativa… literária, não? Pois bem. Um filme pode ser uma narrativa, mas será – excetuando-se os experimentalismos radicais – uma narrativa audiovisual.

e8eff92a0d74cd8b4e3054bb3b770c34Isto quer dizer que, preferencialmente (talvez), os seus elementos geneticamente romanescos serão transfigurados em formas de áudio e vídeo – com uma expressividade que lhes esteja de acordo. Não há dúvida alguma de que os melhores filmes (narrativos), dos melhores cineastas, escolhem meios expressivos audiovisuais, primordialmente.

Infelizmente, no entanto, tais filmes e tais cineastas são uma minoria. Mas dá um gosto tremendo quando um deles dá o ar de sua graça, para quem realmente aprecia Cinema. Este é o caso de Eu, Tonya (“I, Tonya”, EUA, 2017), dirigido por Craig Gillespie – autor da pequena obra-prima intitulada A Garota Ideal (“Lars and The Real Girl”, 2007).

film_I-Tonya_1200x800-1024x683Toda a disfuncionalidade (para dizer o mínimo), ou as deficiências cognitivas e de caráter (para dizer o máximo) de Tonya Harding, personagem lastimavelmente real, aparecem resumidas e simbolizadas em um único gesto / plano que não dura mais do que alguns poucos segundos, em determinado momento do meio da sua tragicômica história.

Tonya, olímpica patinadora no gelo, está esperando a sua vez de entrar no rinque. No corredor de acesso, preguiçosamente encostada em uma parede, fuma o seu cigarro, já calçada com os patins e lâminas. Ao ouvir o sinal, ela, da maneira mais cotidiana do mundo, joga a bituca no chão e a espreme pelo meio, com a lâmina em seu pé.

tmp_SYVusN_873b544e784a3a9f_i-tonya-1508426635Vemos essa imagem em primeiríssimo plano, e o diretor faz questão de fazê-la durar o tempo suficiente (ainda que bastante breve) para percebermos que o cigarro não foi apagado, que aquele gesto foi de uma inutilidade, preguiça, ou sei-lá-o-quê ridiculamente inconcebíveis para qualquer pessoa minimamente desperta.

O filme todo não é ruim, está concorrendo ao Oscar de melhor atriz (Margot Robbie), melhor atriz coadjuvante (Allison Janney, que já ganhou o Globo de Ouro) e melhor edição, mas esse curtíssimo plano é de uma simplicidade, singeleza e expressividade geniais. Vale pelo longa inteiro.

Três Anúncios para Um Crime

IMG_1427O alcance da visão de mundo e das relações sociais na pequena cidade de Ebbing, Missouri (EUA) possui aquela extensão tipicamente limitada dos grotões rurais / patriarcais / arcaicos dos interiores profundos de muitos países; ou dos sistemas hermeticamente fechados das sociedades distópicas de narrativas especulativas (cujos ecos ouvimos em “O Conto da Aia”, de Margareth Atwood).

E uma das qualidades de Três Anúncios para um Crime (“Three Bilboards Outside Ebbing, Missouri”, EUA, 2017, dir.: Martin McDonagh) é permitir que o chorume de tais visões e relações escorra por entre os desvãos de tais comunidades que, não obstante, se creem puras, preservadas, impermeáveis, higienizadas (o velho higienismo social). Sutil, esse chorume segue escorrendo até alcançar os pés descalços do espectador distraído.

IMG_1429Exemplo: na sala de cinema, alguns espectadores riem das falas e ações preconceituosas dos personagens do filme, especialmente as do policial Jason Dixon (Sam Rockwell); outros riem COM elas. O roteiro de McDonagh é pontuado com diversas pequenas tiradas de humor negro / politicamente incorreto, principalmente em relação a minorias: mulheres, negros, homossexuais, até mesmo pessoas com nanismo (o personagem interpretado por Peter Dinklage).

Isso provoca um desconforto no espectador consciente e alguma sensação de claustrofobia moral – comum em narrativas distópicas. Mas é importante lembrar que o filme não adere, irrestritamente, ao ponto de vista de personagem algum. É natural que que se reforce a mãe interpretada por Frances McDormand; no entanto, mesmo ela não deixará de fazer parte de uma zona ética cinzenta que, afinal, definirá toda a cidade.

IMG_1428Essa escolha já fez com que “Três Anúncios…” fosse criticado por setores mais progressistas, que exigiam que o longa tomasse postura mais, digamos, contundente em relação a personagens como o de Rockwell. Mas o filme de McDonagh não é, de maneira alguma, reacionário; tampouco adota o conservadorismo de um Clint Eastwood. É um bom western contemporâneo.

Está indicado a 7 Oscars: melhor filme, melhor atriz para Frances McDormand, melhor ator coadjuvante para Sam Rockwell e Woody Harrelson, melhor roteiro original, melhor edição e melhor trilha sonora original. Ganhou os Globos de Ouro de melhor filme dramático, melhor roteiro, melhor atriz (McDormand) e melhor ator coadjuvante (Rockwell). Estreou no Brasil esta quinta-feira, 15 de fevereiro.