A Forma da Água

O pequeno poder é frívolo: apega-se a símbolos banais de consumo, de ostentação. No fundo, o pequeno poder é inseguro: como um deus ridículo, se não estiver sob adoração de todos, o tempo todo, não se acreditará digno de si mesmo. O pequeno poder esconde sua fragilidade de mágico de Oz por trás de uma persona costurada com livros de autoajuda igualmente frívolos. O pequeno poder esconde sua covardia por trás de chavões que simulam uma pretensa vitória que não é – e jamais será – a dele.

O pequeno poder não passa de um idiota útil para uso e capricho do grande poder. Quanto mais se crê vencedor, mais revela sua própria derrota – mas não a si mesmo, é claro; o pequeno poder não tem consciência da sua própria pequenez, daí o seu ridículo. O pequeno poder é ignorante, e a insistência nessa ignorância parece tornar o pequeno poder estúpido, na aparente deficiência cognitiva frente a uma realidade que não seja a que construiu para si próprio (na verdade, que construíram para ele, sem que percebesse).

shape1O pequeno poder é cafona nos gostos, medíocre nas realizações, extremamente limitado na visão de mundo: apega-se a pequenas certezas, pequenas verdades e seus supostos valores (ainda mais mesquinhos): o tamanho reduzido da sua inteligência, do seu repertório, do alcance de suas ações, decisões, são, na realidade, o maior símbolo ostentatório da pequenez que é sua natureza mais íntima e maior atributo. O pequeno poder possui autêntico fetiche por toda ideia e forma de normatização.

O pequeno poder lambe as botas de todo e qualquer índice do grande poder, qualquer que seja a forma que este assuma (e o grande poder assume muitas formas diferentes, em sociedades bastante diferentes). Por exemplo: o pequeno poder é rigidamente masculino (e sua concepção de masculinidade é ainda mais estreita); o pequeno poder é branco caucasiano. O pequeno poder é heterossexual. O pequeno poder monopoliza a imagem e a semelhança de Deus. E condena aos infernos tudo o que esteja fora desses padrões.

O que será, logicamente, a maioria das pessoas, dos seres, das coisas, do mundo, da vida. O pequeno poder é signo de morte. O pequeno poder está morto e ainda não sabe. Talvez seja natimorto. O pequeno poder, com todos os seus preconceitos e taras por pureza, assepsia e higienização morais, não reconhece (mais uma vez, a sua peculiar deficiência cognitiva) que é, ele mesmo, podre, putrefato. O pequeno poder fede a decomposição cadavérica. Quanto mais pretende monopolizar a vida, mais se reduz à morte.

t-Shape-of-Water-Set-DesignO pequeno poder é servil inquestionavelmente fiel de mestres (o grande poder) que irão, não obstante, abandoná-lo à própria sorte (quando não eliminá-lo, apagá-lo da equação, simplesmente) ao menor sinal-suspeita de que este pequeno poder deixou de cumprir com seu papel menor de idiotia útil: o grande poder é implacável. O pequeno poder crê-se importante, exclusivo, mas não passa de peça barata e facilmente substituível no funcionamento da grande máquina. Mesmo assim, permanecerá leal, como um cão.

Sim. O pequeno poder é um cão de guarda. Impede o acesso ao grande poder. Mantém o estado das coisas, qualquer que seja. Este cão vê a si mesmo como dono da mansão, parte da família, ser humano. Late para outros cães, odeia outros cães, enxerga-os como meros cães (no fundo, ameaças para a sua baixíssima posição, que ele crê ser muito elevada). Mas este cão dormirá, irremediavelmente, na casinha de cachorro; comerá a ração com que seus donos compensarão seu trabalho duro e vigilância.

Apesar de tudo, em um filme de Hollywood, o pequeno poder será derrotado. Antes de mais nada, será enfrentado, questionado – o que, em termos de realidade, já é muito. Já escrevi, aqui e aqui, sobre as fábulas cinematográficas de Guillermo del Toro. Recentemente, o diretor assumiu o subtexto político de suas fantasias. E A Forma da Água (“The Shape of Water”, EUA, 2017) é mais uma bela e significativa produção nesta linha bastante autoral, particularmente no cenário político mundial deste último ano.

the-shape-of-water-super-cinema-up-Vamos entender bem: quando del Toro fala em “política”, não se trata de um debate “estético”: um filme como A Forma da Água está pouco interessado na guerra fria entre sistemas econômicos ou nos aspectos mais idiossincráticos de suas ideologias: “esquerda” ou “direita”, comunismo ou capitalismo, aparecem no filme como contextualização histórica bem coerente; mas o cineasta não está interessado na polarização rasa que, de um lado e de outro, muitas vezes acaba escamoteando a real discussão.

Quando Guillermo del Toro fala em política, ele está falando de valores sociais, de direitos civis, de tomada de consciência, de reivindicação por liberdades, de luta contra exploração, contra opressão, contra preconceitos, contra segregação, escravidão, violência de estado, assassinatos supostamente legitimados. Logicamente, tudo isso não deixa de ser também ideológico e aplicável à “esquerda” e à “direita”, conforme as situações ou conveniências (quem pratica opressão, quem a sofre e quem luta contra ela).

Mas, assistindo à Forma da Água, não há como o espectador esclarecido não se lembrar dos cenários político-sociais atualíssimos nos EUA e no mundo (incluindo, sim, o Brasil). A ascensão (ou retorno) de indivíduos, grupos e ideologias associadas à extrema-direita, autoritária, preconceituosa, perigosa, vem causando preocupação e inspirando fábulas distópicas como a série The Handmaid’s Tale. Mas, ao contrário da profecia assustadora desta, o filme de del Toro ajuda a reforçar o que ainda há de humano em nós.

screen-shot-2017-09-14-at-9-49-54-am1A fábula sensível de A Forma da Água utiliza-se de todo o aparato material, semiótico e ideológico de Hollywood para nos lembrar de que é possível mantermos a cabeça para fora da água (no caso, dentro da água), na tormenta que se avizinha mais uma vez. Não é muito diferente do que fez Frank Capra nos anos 30, com suas fábulas que procuravam estimular a resiliência do norte-americano face, primeiramente, à crise econômica de 29, e posteriormente, face à ascensão do nazi-fascismo e a 2ª Guerra Mundial.

Não é à toa que o principal leitmotiv deste filme seja o swing jazz dos anos 30 e 40, pontuando a trilha sonora com uma presença principalmente diegética, e cadenciando o próprio ritmo da narrativa, além de se fazer presente em momentos dramáticos fundamentais: de Benny Goodman a Carmen Miranda, o estilo luminoso e alegre do swing (associado à mensagem política de del Toro) serve de contraponto discursivo à fotografia noir e à direção de arte “suja”, de texturas pesadas, ásperas ou pegajosas.

Como mofo que se forma em infiltrações nas paredes e teto. O grafismo carregado que contamina todos os aspectos visuais do filme é representativo do estado da realidade política à qual o diretor, também politicamente, se opõe: o lado obscuro dos anos 50-60. Guerra Fria, ameaça nuclear, segregação racial, o novo imperialismo: os EUA ocupando o seu “quintal” (América do Sul), na paranoia de que os soviéticos o fizessem – ainda mais depois da revolução cubana e da crise dos mísseis.

69f23564c56b41b9-2048x1022A Forma da Água paga muitos tributos, também, aos filmes B, de terror ou ficcção científica, que eram o melhor espelho refratário da sociedade norte-americana nas décadas de 50 e 60. Principalmente O Monstro da Lagoa Negra (“Creature from The Black Lagoon”, 1954, de Jack Arnold). Mas Guillermo del Toro faz, no final das contas, uma fábula para o nosso tempo: quem é, verdadeiramente, o monstro? E, principalmente, a “mocinha” que não é mais vítima / objeto passivo do desejo masculino.

A mulher, aqui, possui seu próprio desejo e é dona dele. Ela faz e acontece. Em sua mudez, a protagonista Elisa (Sally Hawkins) é mais articulada, eloquente e persuasiva do que as figuras alegóricas do pequeno e do grande poder, pretensamente tão senhores de sua macheza, no entanto fragilíssima. Nos tempos atuais, em que cresce novamente uma estupidez muito perigosa, a nova criação da mente afiada de Guillermo del Toro tem muito a nos ensinar.

A Forma da Água ganhou os Globos de Ouro de melhor diretor (para Guillermo del Toro) e melhor trilha sonora original (para Alexandre Desplat). Está indicado a 13 Oscars: filme, diretor, atriz (Sally Hawkins), atriz coadjuvante (Octavia Spencer), ator coadjuvante (Richard Jenkins), trilha sonora original, roteiro, fotografia, montagem, figurino, edição de som, mixagem de som, direção de arte. Estreou nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 01 de fevereiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s