O Artista do Desastre

O que é o gênio? Força de vontade, vontade de potência? Inspiração, iluminação? Perícia, virtuosismo? Desde a geração romântica, o mundo ocidental vem se debatendo em volta dessa figura, a um só tempo ídolo e pária, mas sobretudo carregada e recarregada de idiossincrasias desconcertantes.

IMG_1423Mas vamos ficar aqui no campo do cinema: Alfred Hitchcock e Stanley Kubrick, só para trazer os dois exemplos citados por Tommy Wiseau (James Franco) para defender sua “visão” e seus métodos de trabalho pouco ortodoxos (para dizer o mínimo), neste O Artista do Desastre (“The Disaster Artist”, EUA, 2017, dir.: James Franco).

Qualquer cinéfilo diria que ambos são gênios, não? Ambos têm visão (e uma visão muito pessoal, mantendo o espírito romântico), ambos têm perícia técnica. Mas qual o elemento que Wiseau toma para si? A maneira como ambos tratavam seus atores como “gado”: a disfuncionalidade nas relações, idiossincrasia maior dos “gênios”.

Tommy Wiseau não tem perícia técnica (sequer qualquer noção da coisa) e também não tem “visão” (ele acha que tem, mas não tem). Mesmo assim, o “gênio incompreendido” se arvora orgulhosamente ao lado de Hitchcock, Kubrick, James Dean… O espectador começa a rir, com aquela típica vergonha alheia, a palavra ridículo vem à mente.

IMG_1424O ridículo é sempre ridículo aos olhos do outro. O ridículo não sabe que é ridículo. Se soubesse, não o seria; ou o seria com cinismo, autoironia – primeiro sinal, talvez, de uma intrínseca genialidade. Eu disse “intrínseca”, porque a indústria cultural – seus submundos, subprodutos – produz uma outra categoria de gênio.

Um gênio que, tal qual o ridículo, nasce exclusivamente da percepção alheia; e que, também como o ridículo, será assumido pelo próprio “gênio” após muita resistência – ou não se assumirá jamais. É o gênio ingênuo, naïf. Constrangedoramente incompetente, nas formas e(ou) conteúdos. O gênio cuja vontade de potência é inversamente proporcional às suas realizações.

A distância intransponível (em termos de: talento? perícia?) entre suas pretensões e realizações nos faz rir, às vezes muito. Mas também nos faz admirar, não sem certa condescendência piedosa, a sua vontade de potência (a essência ainda romântica de nossa cultura). O cinema de exploitation, os “midnight movies”, desde os anos 50 consagram essa genialidade.

the-disaster-artist-tda-01994_rgb_previewAqui, é claro, cabe uma diferenciação: uma coisa são os filmes B, de baixíssimo orçamento, que “fazem das tripas coração”: o talento nato, espontâneo e intuitivo de seus cineastas mais do que compensa a carência (às vezes extrema) de recursos materiais ou de formação (escolarização, experiência profissional).

Este primeiro é o caso do nosso Zé do Caixão (o internacional “Coffin Joe”): seus filmes são materialmente “ruins”, rimos da sua afetação caricata que, no entanto, se pretende séria (o ridículo); mas identificamos facilmente, nos filmes de José Mojica Marins, uma visão de cinema: inspirada, elaborada, apoiada em profundo repertório.

O segundo caso seria o de Tommy Wiseau: sua “obra-prima”, The Room (2003), é simplesmente ruim, em todos os sentidos. Mesmo assim, adoramos. Porque reconhecemos ali uma pessoa, uma “alma”, que se expõe a nu, sem medo, sem pudor: “Meu Coração Desnudado”, de Charles Baudelaire, poeta fundador da modernidade, enraizada no Romantismo.

IMG_1426Uma subjetividade quase completamente divorciada da realidade objetiva, inclusive nos aspectos mais problemáticos: o respeito, a empatia, a ética. Mas tamanho egocentrismo (egolatria), mesmo em seus elementos abusivos, não deixa de cair dentro da ideologia romântica que ainda encanta nossa sociedade e nossa arte.

A prova disso é o interesse de James Franco em contar a hostória de Wiseau e seu filme-fetiche; e a recepção positiva desta “biopic”: indicações para o Globo de Ouro (nas categorias de melhor filme de comédia e melhor ator para James Franco, vencendo nesta última), indicação para o Oscar (melhor roteiro adaptado).

Agora, a prova de resistência do artista-gênio-disfuncional-incompreendido será a sorte futura de O Artista do Desastre e do seu diretor / ator principal, após as recentes acusações de assédio e abuso sexual, que vieram à tona logo depois da entrega dos Globos de Ouro. No fundo, será a prova de resistência da ideologia romântica em face de questionamentos éticos cada vez mais preponderantes.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s